pc gaming

Capa do Álbum: pc gaming
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
pc gaming
Ícone seta para a esquerdaVeja todas as Notícias.

Para secretário da ONU, rejeição de Israel à solução de 2 Estados encorajará extremistas

Placeholder - loading - Secretário-geral da ONU, António Guterres 23/01/2024 REUTERS/Eduardo Munoz
Secretário-geral da ONU, António Guterres 23/01/2024 REUTERS/Eduardo Munoz

Publicada em  

Por Michelle Nichols

NAÇÕES UNIDAS (Reuters) - O secretário-geral da Organização das Nações Unidas, António Guterres, disse nesta terça-feira que é 'inaceitável' que o governo de Israel rejeite uma solução de dois Estados para o conflito com os palestinos, alertando que a medida 'encorajaria os extremistas em todos os lugares'.

Em uma reunião de alto nível do Conselho de Segurança da ONU sobre o Oriente Médio, Guterres disse: 'A ocupação de Israel precisa acabar'.

O conselho de 15 membros há muito tempo endossa a visão de dois Estados vivendo lado a lado dentro de fronteiras seguras e reconhecidas. Os palestinos querem um Estado na Cisjordânia, em Jerusalém Oriental e na Faixa de Gaza, todos territórios capturados por Israel em 1967.

Com a guerra em Gaza entre Israel e os militantes do Hamas, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse na semana passada que Israel precisa de controle da segurança sobre todas as terras a oeste do rio Jordão -- que abrange os territórios palestinos -- acrescentando: 'Isso entra em conflito com o princípio da soberania, mas o que se pode fazer'.

Em 7 de outubro, combatentes do Hamas lançaram um ataque no qual, segundo Israel, 1.200 pessoas foram mortas e cerca de 253 pessoas foram feitas reféns. Israel retaliou bombardeando Gaza, governada pelo Hamas, pelo ar e lançando uma ofensiva terrestre. Mais de 25.000 palestinos foram mortos, de acordo com as autoridades de saúde de Gaza.

'Toda a população de Gaza está sofrendo destruição em uma escala e velocidade sem paralelo na história recente', disse Guterres ao Conselho de Segurança. 'Nada pode justificar a punição coletiva do povo palestino.'

O ministro das Relações Exteriores da Palestina, Riyad al-Maliki, destacou Netanyahu em seu discurso no Conselho de Segurança, acusando-o de ser 'movido por um único objetivo -- sua própria sobrevivência política às custas da sobrevivência de milhões de palestinos sob a ocupação ilegal de Israel e da paz e segurança para todos'.

FOCO DE ISRAEL NO IRÃ

Al-Maliki disse que chegou a hora da 'admissão do Estado da Palestina na ONU'. Tal medida exige que o conselho de 15 membros -- onde o aliado de Israel, os Estados Unidos, detém poder de veto -- faça uma recomendação à Assembleia Geral de 193 membros.

'Israel não deve mais alimentar a ilusão de que há, de alguma forma, um terceiro caminho pelo qual ele pode escolher a ocupação contínua, o colonialismo e o apartheid e, de alguma forma, ainda alcançar a paz e a segurança regionais', disse Al-Maliki.

O embaixador israelense na ONU, Gilad Erdan, disse que se o Hamas entregasse os responsáveis pelos ataques de 7 de outubro e libertasse todos os reféns, 'essa guerra acabaria imediatamente'. Ele também disse que o Hamas não poderia continuar no poder em Gaza.

Mas Erdan concentrou grande parte de sua declaração no Conselho de Segurança no Irã, criticando a presença do ministro das Relações Exteriores do Irã, Hossein Amirabdollahian.

'Como é absurdo que o ministro das Relações Exteriores do principal patrocinador do terrorismo, que pretende desestabilizar o Oriente Médio, esteja aqui', disse Erdan. 'Você consegue imaginar o ministro das Relações Exteriores de Hitler participando de uma discussão séria sobre como defender os judeus durante o Holocausto?'

O Irã apoia os militantes do Hamas em Gaza, o Hezbollah no Líbano e os houthis no Iêmen. A guerra de Gaza provocou confrontos entre Israel e militantes do Hezbollah ao longo da fronteira libanesa, ataques de grupos ligados ao Irã contra alvos dos EUA no Iraque e na Síria e ataques dos houthis contra navios comerciais no Mar Vermelho.

'Interromper o genocídio em Gaza é a principal chave para a restauração da segurança na região', disse Amirabdollahian ao conselho. 'A matança de civis em Gaza e na Cisjordânia não pode continuar até a chamada 'destruição total do Hamas', porque esse momento nunca chegará.'

Escrito por Reuters

Últimas Notícias

  1. Home
  2. noticias
  3. para secretario da onu …

Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.

pc gaming Mapa do site